fbpx

Aplicação da NR23 na construção civil

Todas as empresas precisam tomar medidas claras para prevenir e conter possíveis incêndios. Mas isso é ainda mais relevante no setor de construção civil, que envolve trabalhos perigosos e o risco de incêndios é maior. Além disso, durante o período de construção não existem hidrantes, uma vez que a obra não está concluída.

Para aumentar a segurança no caso de incêndios, foi criada a Norma Regulamentadora NR 23 do Ministério do Trabalho e Emprego. Neste artigo, vamos mostrar o que é a NR23 na construção civil, como ela se aplica e quais são os principais pontos de atenção que precisam ser observados.

Saiba o que é e como se aplica a NR23 na construção civil

A NR 23 do Ministério do Trabalho e Emprego é a norma que dispõe sobre a proteção contra incêndios. Ela determina que todas as empresas devem possuir proteção contra incêndio e saídas suficientes para garantir uma rápida evacuação em caso de emergência. Também prevê o uso de equipamentos de combate a incêndio e treinamento da equipe para enfrentar essa situação.

As saídas de emergência devem ter aberturas com, no mínimo, 1,20 metros de abertura livre e desimpedida no sentido do fluxo. Onde não for possível acesso direto à saída, deverá haver corredores livres e desimpedidos para facilitar a evacuação no momento de pânico.

As vias e saídas devem apresentar sinalização, assim como as próprias saídas, a fim de facilitar a sua localização. As saídas e as vias de circulação não devem comportar escadas nem degraus; as passagens devem ser bem iluminadas.

As saídas devem estar a uma distância  de no máximo 15 metros nas instalações de grande risco e a 30 metros nas de médio e pequeno risco. Essas medidas são passíveis de alteração se o ambiente possuir sistema de combate ao incêndio automatizado como sprinklers.

Além disso, os pisos de níveis diferentes deverão ter rampas que os contornem suavemente e, nesse caso, deverá ser colocado um aviso no início da rampa.

As portas devem ter a abertura no sentido do fluxo e não apresentar nada que obstrua a passagem. Elas devem ser de correr horizontalmente ou de abrir com batente, facilitando a saída no momento de pânico. Em horário de trabalho, as portas devem estar destrancadas e com sistema de fácil abertura interna. As que se destinam a saídas de emergência não poderão ser trancadas pelo lado externo em hipótese alguma.

As escadas devem ser confeccionadas de materiais incombustíveis e resistentes ao fogo, de modo a garantir a total segurança nos momentos de pânico. As escadas devem possuir portas com o sistema corta fogo com fechamento automático.

Poderão ser exigidos, para certos tipos de indústria ou de atividade em que seja grande o risco de incêndio, requisitos especiais de construção, tais como portas e paredes corta-fogo ou diques ao redor de reservatórios elevados de inflamáveis.

NR23

Saiba como é feito o combate ao fogo

O combate ao fogo é basicamente dividido em 4 etapas:

  • Acionar o alarme de incêndio;
  • Chamar imediatamente o Corpo de Bombeiros;
  • Desligar máquinas e aparelhos elétricos, quando for possível e o ato não representar riscos;
  • Atacar o fogo o mais rapidamente possível, utilizando os meios adequados.

Os exercícios de combate ao fogo têm por finalidade ensinar as pessoas a reconhecerem o sinal de alarme e a fazer uma boa e ordenada evacuação do ambiente.

As pessoas precisam se acostumar com o sinal para que possam evitar o pânico. É preciso verificar se o sinal sonoro pode ser ouvido em todos os ambientes do prédio. Cada funcionário deve ter uma tarefa específica no momento do alarme.

Em todo incêndio ocorre uma reação de combustão, envolvendo quatro elementos: o combustível, o comburente, o calor e a reação em cadeia. Os métodos de extinção do fogo consistem em “atacar” cada um desses elementos.

  • Retirada do material: Trata-se de retirar do local o material (combustível) que está pegando fogo e também outros materiais que estejam próximos às chamas.
  • Abafamento: Trata-se de eliminar o oxigênio (comburente) da reação, por meio do abafamento do fogo.
  • Resfriamento: Trata-se de diminuir a temperatura (calor) do material em chamas.
  • Reação em cadeia: É o processo contínuo da combustão, pela combinação dos três elementos acima.

O fogo é classificado em 4 tipos:

  • Classe A – Materiais de fácil combustão, que têm a propriedade de queimar em sua superfície e profundidade e deixam resíduos. Por exemplo: tecidos, madeira, papel, entre outros.
  • Classe B – Produtos inflamáveis que queimam somente em sua superfície, não deixando resíduos. Por exemplo, óleo, graxas, vernizes, tintas, gasolina, entre outros.
  • Classe C – Quando o fogo ocorre em equipamentos elétricos energizados, como motores,transformadores, quadros de distribuição, fios, entre outros.
  • Classe D – Elementos pirofóricos como magnésio, zircônio, titânio.

Cada tipo de fogo exige uma linha de combate diferenciada. Todos os estabelecimentos, mesmo os dotados de chuveiros automáticos, deverão ser providos de extintores portáteis, a fim de combater o fogo em seu início.

Deverão ser usados os seguintes extintores:

  • Extintores de Espuma nas classes A e B de fogo;
  • Extintores de Dióxido de Carbono na classe A (só no início) e nas classes B e C de fogo;
  • Extintores Químicos Secos também funcionam com as classes B e C;
  • Extintores de Água Pressurizada, ou Água-Gás, devem ser usados em fogos Classe A.

Além disso, os pontos de captação de água deverão ser facilmente acessíveis, e situados ou protegidos de maneira a não poderem ser danificados.

NR23

Redobre os cuidados na construção civil

Edifícios em construção têm um potencial de sofrer incêndios superiores aos concluídos. Isso se deve a componentes estruturais desprotegidos, aberturas em pisos e paredes, materiais de construção combustíveis e sobras e descartes da construção. Além disso, os processos de corte e solda envolvem fagulhas.

O armazenamento de produtos e equipamentos sem os devidos cuidados com a segurança pode ocasionar problemas durante o período da construção do empreendimento.

Produtos químicos e inflamáveis armazenados em canteiro de obra necessitam de um lugar específico, afastado de fonte de calor, de preferência do lado de fora da construção. O local precisa estar bem sinalizado, isolado e com placas de advertência.

A implantação de um sistema de prevenção de incêndios durante a construção é importante para evitar acidentes. Os funcionários precisam utilizar Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e saber como agir caso numa situação de emergência.

Para combater os riscos existentes no local de trabalho, é fundamental que a empresa conte com uma Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA). Ela é formada por profissionais que exercem a função pelo qual foram contratados e ainda se comprometem em zelar pela segurança e saúde de todos.

Como vimos, a NR23 na construção civil traz medidas importantes para proteção contra incêndios. Observando as recomendações das normas, a sua empresa terá muito mais segurança no canteiro de obras.

Você gostou desse artigo? Entendeu a importância da NR23 na construção civil? Caso queira acessar outros conteúdos sobre o setor, clique aqui!