fbpx

Domine a gestão de custos no campo e aumente seus lucros

A gestão de custos no campo é primordial para a manutenção e o desenvolvimento da produção. Saber trabalhar do jeito certo à gestão de custos fará com que a sua propriedade consiga ter uma situação financeira boa e levar à maior produtividade.

Como aprender sobre gestão de custos no campo

Para se ter eficiência é indispensável elaborar um planejamento das despesas, pois ele possibilita organizar seus gastos para que sobre dinheiro. Continue lendo o conteúdo para entender como fazer isso.

Planejamento agrícola para melhor gestão no campo

A natureza dos custos compreende tudo o que é consumido na produção como, materiais e insumos, mão de obra direta e indireta, manutenção e depreciação de máquinas e equipamentos, combustíveis e lubrificantes.

No que se refere a maquinários, uma forma de diminuir gastos na produção é contar com  uma máquina moderna, de alta tecnologia, que proporciona excelente desempenho. Exemplificando, a empilhadeira Off Road Maxxicargo traz o custo-benefício e equilibra o investimento. Economize em desperdício, redução de erros e redução do tempo envolvido em cada operação. 

Transporte logístico no campo

Uma logística de forma assertiva na gestão de custos no campo, o transporte de cargas industriais, são responsáveis por movimentar o maior número de produtos, com o mínimo custo, reduzindo atrasos e elevando a eficiência na indústria, cuja função é obter mais fluidez, segurança e aplicabilidade.

Confira nosso guia completo sobre Gestão de Custos e Produtividade no campo

Os gastos de produção envolvem custos variáveis e fixos que adicionados constitui o gasto total do processo produtivo. 

Custos variáveis: é a soma dos fatores variáveis de produção, eles com a produção ou quantidade de trabalho. Nesta categoria inclui os fertilizantes utilizados nas lavouras, herbicidas consumidos no combate às ervas daninhas, sementes gastas, óleo diesel empregado nas máquinas e equipamentos, a mão de obra contratada no plantio, os inseticidas aplicados ao combate de pragas, fungicidas, e demais gastos referentes à colheita.

Custos fixos: são aquelas despesas que ocorrem todo o mês, estão ligadas a atividade produtiva do campo, mas que não variam com a quantidade vendida. Exemplos de custo fixo podem ser, salário dos funcionários, aluguel, provedor de internet, manutenção de equipamentos, serviços de limpeza, serviços de segurança etc.

Saiba como calcular custos de produção na lavoura

O custo de produção em uma propriedade rural, é  comumente feito por hectares. Ele considera o valor total das atividades, com exceção dos investimentos, divididos pela área da propriedade. É possível calcular por saca, que é o total gasto por hectare divididos pela produtividade alcançada por hectare.

Simples de calcular o custo de produção, de acordo com os seguintes passos:

  • registre os dados das atividades em planilha (custo diretos relativos à produção , mão de obra, insumo e máquinas), indiretos (despesas administrativas, pagamentos a prestadores de serviços etc);
  • relacione a quantidade de produtos gastos;
  • descreva os gastos com máquinas e equipamentos (o valor pago pela máquina é dividido por toda a sua vida útil;
  • contabilize os custos com a mão de obra envolvida na produção;
  • organize por categorias de custos variáveis e fixos;
  • considere todos os gastos, tais como, custos com estradas, energia elétrica etc.

Quer aprender mais sobre gestão de custos no campo?  Temos um Guia com informações valiosas sobre esse assunto. Baixe agora clicando aqui.

Revelado o esboço para redução custos cerâmicos

Com o passar do tempo, a indústria ceramista cresceu, aprimorou-se, proporcionando aos consumidores novos produtos, primando pela qualidade e a viabilidade para redução custos cerâmicos.

Descubra como a indústria ceramista pode realizar um esboço que auxilia na redução custos cerâmicos 

Na jazida, ocorre a extração da argila, que chega na fábrica e vai para o processo de moagem. A argila é o componente principal para a qualidade da cerâmica.

É necessário ser levada em consideração todos os processos de fabricação na indústria ceramista para que seja possível a redução de custos cerâmicos.

  • O layout de produção de cerâmica proporciona melhorias redução custos cerâmicos

Opte por trabalhar um layout de produção de cerâmica condizente com a planta, pois isso permitirá a geração de benefícios como, aumento da produtividade e a redução de custos, como o reaproveitamento dos resíduos.

O uso adequado do layout também impacta nas demais funcionalidades na indústria ceramista Algumas das principais melhorias é a redução do tempo de feitio dos produtos, restrição e prazo certo para a entrega e menor risco de acidente de trabalho.

  • Investimento em maquinário

No ramo ceramista, é preciso utilizar máquinas e equipamentos adequados (não obsoletos) para garantir que a cerâmica apresente-se dentro da qualidade ambicionada.

Para assegurar isso,  faça o uso de empilhadeiras Off Road MX  e alcance a redução custos cerâmios.

  • Assistência técnica e manutenção dos equipamentos cerâmicos

A assistência técnica em máquinas e equipamentos cerâmicos é indispensável quando se quer atingir a redução de custos cerâmicos. Uma rotina para a manutenção em máquinas e equipamentos da indústria ceramista é preciso ser realizada frequentemente, o que garantirá uma maior vida útil de máquinas e equipamentos cerâmicos impedindo assim, a ocorrência de falhas e paradas não esperadas. 

 

Faça agora a aplicação de máquinas empilhadeiras Off Road MX da Movix

As empilhadeiras Off Road como a MX impactam positivamente a indústria ceramista,  

pois elas são apropriadas para a logística em cerâmicas, aumentam a produtividade e auxiliam a redução custos cerâmicos.

As empilhadeiras Série MX se destacam por seu excelente custo-benefício, o melhor da sua categoria. São empilhadeiras a diesel todo terreno que oferecem máxima qualidade de desempenho para locais com terrenos irregulares. Algumas das suas principais vantagens são:

  • Operação e mecânica simplificadas
  • Desempenho de ponta, mesmo em terrenos irregulares
  • Capacidade de carga de até 3.500kg
  • Raio de giro reduzido, que favorece a movimentação nos pomares
  • Maior altura livre do solo, para facilidade de locomoção em terrenos irregulares
  • Suspensão reforçada para operar mesmo em condições severas
  • Pneus mais largos para favorecer a estabilidade
  • Total conforto, segurança e ergonomia para operação

Quer mais dicas sobre redução de custos? Confira nosso artigo sobre redução de custos com mão de obra na construção civil aqui.

Vantagens do uso de empilhadeira industrial a diesel

Para enfrentar os desafios da indústria e otimizar as operações logísticas, uma empilhadeira precisa ser forte, resistente e capaz de oferecer o máximo possível de eficiência, agilidade e segurança. A escolha da máquina mais adequada contribui para aumentar a produtividade, reduzir custos e preservar a saúde dos trabalhadores. 

O uso de empilhadeiras nos sistemas de armazenagem possibilita o acesso rápido e direto aos estoques, garantindo maior velocidade na movimentação. Portanto, o uso dessas máquinas favorece a racionalização dos espaços de estocagem, a diminuição dos danos em produtos e uma melhor utilização dos espaços verticais. 

Neste artigo, vamos apresentar as vantagens do uso de uma empilhadeira industrial movida a diesel.

Saiba como escolher a melhor empilhadeira industrial

As empilhadeiras a combustão são uma ótima opção para quem precisa de uma máquina forte e robusta para uso industrial. As máquinas a diesel se destacam pela força do motor, que apresenta desempenho mecânico incomparável e muitos avanços tecnológicos agregados a elas. 

As empilhadeiras movidas a diesel são ideais para espaços como centros logísticos, pátios e docas. Já existem empilhadeiras a combustão mais compactas, que podem ser operadas mesmo em espaços menores, como no interior dos centros logísticos, sem abrir mão da sua força. 

Embora o diesel seja um combustível mais poluente, elas podem ser usadas dentro de locais fechados, desde que tenham uma boa circulação de ar. Outra opção para os ambientes internos seria utilizar uma empilhadeira elétrica, que não polui o ambiente interno com gás liquefeito das máquinas a combustão e é mais silenciosa. Porém, essas máquinas não têm a mesma força que as empilhadeiras movidas a combustão.

O uso de empilhadeiras a diesel na indústria possibilita duplicar ou triplicar a capacidade de armazenamento no mesmo espaço físico com sistemas de armazenamento tipo drive-in, drive-thru. No médio prazo, paga-se a estrutura e se reduz o custo com investimento em outros depósitos.

A empilhadeira industrial a diesel apresenta uma série de vantagens:

  • A força do motor faz com que o equipamento ganhe também em termos de velocidade, o que reduz o tempo empregado com os deslocamentos e agrega maior produtividade. 
  • As empilhadeiras a diesel também são mais baratas se comparadas às elétricas, o que torna a sua aquisição muito mais vantajosa na grande maioria dos casos.
  • Essas máquinas também oferecem facilidade de manutenção, pois o seu motor tem menor quantidade de peças, e portanto apresentam vida útil maior.
  • Essas máquinas também podem ser acopladas a qualquer tipo de equipamento extra, seja ele uma concha hidráulica, prolongador de garfos ou dispositivo big bag.
  • Por sua potência, a empilhadeira industrial a diesel também pode ser utilizada em qualquer tipo de terreno, seja ele acidentado, inclinado, sujeito a barro, poeira, chuva ou outras intempéries do tempo.

Conheça os modelos de empilhadeira industrial a diesel

Movidas a diesel, as empilhadeiras da série MD da Movix são ágeis, compactas e possibilitam ótima mobilidade em espaços reduzidos. Movidas a diesel, elas apresentam características como  baixo consumo, raio de giro reduzido, grande durabilidade e estabilidade e iluminação em Led. 

Com múltiplas aplicações, elas são fáceis de operar, suportam cargas de 2,5 a 3,5 toneladas e asseguram um excelente desempenho, agregando economia agilidade, força e durabilidade. Desse modo, elas agregam agilidade, força,  durabilidade e economia à atividade industrial.

Além disso, essas máquinas são muito econômicas e podem se adaptar a diversas funções quando combinadas com acessórios opcionais. As empilhadeiras da série MD têm vários acessórios disponíveis, como torres de até 7000 mm, garfos super medida, rodagem dupla e 4ª via hidráulica.

Vantagens das empilhadeiras da série MD:

  • Forte e robusta para uso industrial
  • Desenvolvidas para o trabalho em terrenos planos, como pátios e armazéns
  • São mais compactas, facilitando a sua operação em espaços menores
  • Boa velocidade, reduzindo o tempo nos deslocamentos
  • Pode ser acoplada a qualquer tipo de equipamento extra, seja ele uma concha hidráulica, prolongador de garfos ou dispositivo big bag
  • São mais baratas se comparadas às elétricas
  • Operação simplificada, com alto desempenho e baixo consumo
  • São de fácil manutenção e não contam com componentes eletrônicos

Outro ponto importante que deve ser observado é a assistência técnica oferecida. Procure optar por um bom fabricante para adquirir uma máquina nova. Desse modo, você garante um padrão de assistência técnica e de manutenções que não existe em uma empilhadeira usada e poderá obter um melhor retorno do investimento.

Você gostou desse artigo? Entendeu quais são as vantagens e desvantagens de cada tipo de empilhadeira? Que saber mais sobre as empilhadeiras industriais da Movix? Acesse aqui!

Qual a melhor empilhadeira para cerâmicas

O transporte de cargas é uma atividade essencial no dia a dia do setor de cerâmica. Ele envolve desde a extração de matéria-prima, até a movimentação interna durante as etapas de produção e a entrega dos produtos cerâmicos aos clientes.

A otimização das etapas do processo logístico pode trazer uma série de benefícios para a sua cerâmica. Fatores como o maquinário cerâmico, a qualidade das matérias primas, as máquinas para transporte utilizadas e mão de obra qualificada devem ser observados.

Os equipamentos utilizados no transporte são primordiais para garantir o bom andamento dos processos, a integridade dos produtos e a satisfação dos clientes. Neste artigo, vamos explicar qual é o melhor tipo de empilhadeira para cerâmicas e dar dicas para tornar a logística mais eficiente. 

Entenda como funciona o processo de paletização

A paletização é uma estratégia de organização muito empregada na indústria em geral para a organização, movimentação (carga/descarga) e acomodação de mercadorias com segurança.

Muitas cerâmicas já utilizam o processo de paletização para reduzir custos e mão de obra, otimizar o tempo e garantir maior segurança na etapa de transporte entre a cerâmica e os  clientes.

O processo de paletização consiste na organização de um conjunto de blocos e tijolos cerâmicos sobre os paletes, que servem de base para que empilhadeiras e robôs movimentem as cargas com facilidade. 

Para facilitar o acondicionamento dos tijolos e blocos cerâmicos nos caminhões, você pode utilizar um carregador/descarregador automático em conjunto com as empilhadeiras. A esteira de transporte possibilita alimentar vagonetas, estantes ou paletes de modo automatizada.

Otimize a logística com a unitização de cargas

Para garantir a eficiência nos processos e reduzir custos, as cerâmicas precisam adotar melhorias nos métodos de movimentação de materiais. Os métodos de movimentação e unitização de cargas permitem reduzir o prazo necessário para atender aos pedidos dos clientes. Além disso, eles favorecem as reduções de custos e da mão de obra necessária para realizar as operações, bem como da frota utilizada para atender aos pedidos nos prazos estipulados.

A unitização oferece várias possibilidades para carregar e descarregar mercadorias unitizadas em caminhões. Mas a mais eficiente é utilizar uma empilhadeira frontal a contrapeso e um guindaste veicular. Desse modo, a empilhadeira levanta a carga unitizada em um pallet sobre a carroceria aberta de um caminhão, trazendo maior eficiência e velocidade às operações. A escolha do posicionamento dos materiais utilizados depende das dimensões de cada produto a ser unitizado, do peso e da diferença entre os itens a serem unitizados.

Após a unitização, o lote unitizado de blocos e tijolos cerâmicos é movimentado por uma empilhadeira para o estoque de produtos. O uso dessas máquinas reduz muito o tempo, em comparação ao trabalho manual. Uma empilhadeira é capaz de carregar totalmente um caminhão em cerca de 7 minutos. Por outro lado, para fazer o carregamento do caminhão manualmente, utilizando 10 pessoas, levaria cerca de 1,5 hora de trabalho.

Veja quais são as melhores empilhadeiras para cerâmicas

A utilização da empilhadeira no setor cerâmico tem crescido muito nos últimos tempos, devido em parte à utilização de paletes como base para o transporte de materiais. O uso de máquinas adequadas é fundamental para garantir a eficiência, agilidade e economia nas operações e preservar a segurança dos trabalhadores.

As empilhadeiras todo terreno (off road) são as mais recomendadas para o setor cerâmico, pois são resistentes, versáteis e altamente eficientes. Trabalhar em terrenos irregulares e condições adversas, debaixo de poeira ou de chuva, traz grandes desafios tanto para as máquinas quanto para os operadores.

As empilhadeiras são os equipamentos perfeitos para empilhar cargas, mas também servem para fazer a distribuição e transporte de materiais com mais rapidez. Essas máquinas agilizam os procedimentos de carga e descarga de materiais e o transporte dos mesmos para estoques e locais de utilização. Desse modo, elas diminuem os problemas com desperdícios, acidentes e danos verificados no transporte manual.

Conheça as empilhadeiras todo terreno da Movix

Entre os equipamentos desenvolvidos pela Movix, destaca-se a empilhadeira todo terreno MAXXICARGO, projetada especialmente para serviços pesados em terrenos irregulares. Com tecnologia avançada, ela é construída sobre chassi monobloco, com transmissão automática e ampla altura do solo. Extremamente robusta e com desempenho muito eficaz, a MAXXICARGO oferece excelente dirigibilidade e todo o conforto para o seu operador. O design moderno proporciona total segurança e durabilidade.

A empilhadeira é utilizada nas mais variadas aplicações, sendo recomendada para construtoras, depósitos de materiais de construção, fabricantes de artefatos de cimento, indústrias cerâmicas, madeireiras e muitos outros.

Já a Série MX tem estrutura e raio de giro reduzidos para a realização de manobras em espaços pequenos e oferece alto nível de conforto, ergonomia e segurança aos operadores.

Compacta, robusta e durável, essa empilhadeira encara todo tipo de terreno com agilidade e eficiência. De fácil operação e mecânica simplificada, ela se adapta muito bem nas atividades de empresas de materiais de construção, cerâmicas, madeireiras, pomares ou qualquer indústria com terrenos irregulares.

Com 27 cm de vão livre do solo, a máquina encara os terrenos mais irregulares com facilidade. Pneus maiores e mais largos e suspensão robusta garantem um rodar seguro em terrenos desnivelados.

Capaz de suportar cargas de até 3.500kg, essa empilhadeira todo terreno apresenta baixo consumo de combustível, maior velocidade e capacidade de inclinação, sistema de bloqueio automático e pneus de banda larga com máxima tração.

Com design moderno, essas máquinas também oferecem excelente dirigibilidade e conforto para os operadores. Extremamente robustas e eficazes, elas proporcionam total segurança, agilidade e durabilidade, apresentando uma ótima relação custo x benefício.

Quer saber mais sobre as empilhadeiras todo terreno? Veja aqui um comparativo entre empilhadeiras industriais e off-road.

Gestão de custos e produtividade em madeireiras

Uma boa gestão de custos permite que as empresas madeireiras tenham uma percepção mais clara sobre as despesas envolvidas no processo produtivo e aumentem a produtividade. 

Devido à grande competitividade no mercado, as empresas têm a necessidade de obter um maior controle nos processos de fabricação, bem como dos custos de produção decorrentes dessas operações. Nesse sentido, a contabilidade de custos pode proporcionar ferramentas de caráter gerencial, que auxiliam no controle do uso de recursos e na tomada de decisão.

Neste artigo, vamos explicar como é feita a gestão de custos e dar dicas para aumentar a produtividade em madeireiras.  

O segmento madeireiro reúne várias atividades que envolvem a produção, a colheita e a transformação da matéria-prima madeira. Para atuar nesse mercado, as empresas precisam lidar com informações de custos que permitam formar adequadamente os preços de seus produtos e controlar os custos de produção.

A gestão de custos implica em acumular os custos próprios de cada objeto, organizá-los e analisá-los, com a finalidade de compor informações diferentes para atender às finalidades gerenciais.

Os sistemas de custeio têm por objetivo identificar os custos inseparáveis ao processo produtivo, acumulando-os de forma organizada aos produtos. Desse modo, é possível quantificar os estoques, fazer o planejamento e controle das operações e tomar decisões mais acertadas.

Os custos são determinados por diversos fatores que se inter-relacionam de formas complexas, como o preço da matéria-prima e da mão de obra dos empregados. Compreender o comportamento dos custos significa compreender a complexa interação do conjunto de direcionadores de custos em determinada situação.

As decisões de quais custos farão parte do custo dos produtos levam à escolha pelo custeio por absorção ou custeio variável. 

O custeio por absorção difere do custeio variável pela classificação dos custos fixos como custos inventariáveis ou custos do período. A classificação dos custos fabris e não fabris é utilizada para apurar o custo dos produtos de acordo com os objetos de custeio. Os custos fabris são utilizados no custeio dos produtos em estoques, e os custos não fabris são acrescentados aos custos fabris na apuração do custo dos produtos vendidos.

Por sua vez, o custeio por absorção é caracterizado por incorporar todos os custos de produção ao custo dos produtos em estoque. Esse sistema possibilita que esses custos sejam confrontados com as receitas que os originaram no momento da venda.

Além disso, o gestor deverá escolher o seu sistema de acumulação de custos, orientando-se pelo sistema produtivo da empresa. Existem três sistemas básicos de produção: 

  • Sistema de produção por encomenda:

    Aplicado à empresa cujo sistema produtivo é descontínuo, produzindo bens e serviços não padronizados e, geralmente, sob encomenda específica dos seus clientes. Ele é usado nas empresas com produção sob encomenda, cujas unidades individuais, partidas ou lotes de produtos recebem diferentes graus de atenção ou técnicas, consumindo assim diferentes quantidades de recursos. A identificação dos custos de cada pedido é feita por meio de um instrumento de controle, como uma folha de custo de ordem de produção. Nesse caso, os custos são acumulados em uma ordem e divididos por quantidades menores de produtos, característicos de uma única ordem de produção. O objetivo é obter assim uma apuração mais criteriosa dos custos desses produtos, com ênfase no controle dos custos por departamentos.

  • Sistema de produção contínua:

    Utilizado em empresas com produção contínua de produtos padronizados, com unidades iguais. Esses produtos passam por uma série de processos ou operações, e consomem de forma similar os recursos necessários para a produção. A característica principal desse sistema é o acúmulo dos custos para cada de linha de produtos, que são então divididos pelas quantidades produzidas durante o período dado para apurar custos unitários médios. Nesse caso, o custo médio apurado pode ser menos criterioso, pois o denominador utilizado, ou seja, a quantidade de produtos fabricados, é muito maior. 

  • Sistema de produção híbrida:

    Aplicado em empresas cujo sistema de produção funciona em parte por encomenda e em parte por produção contínua.

Os objetivos de ambos os métodos são basicamente os mesmos, consistindo num processo de apropriação de materiais diretos, mão de obra direta e custos indiretos de fabricação aos produtos. 

Definido o método, abre-se uma Ordem de Produção (OP) para alocar todos os custos da referida encomenda até o término da produção. Os custos devem ser acumulados numa conta específica para cada ordem e encomenda.

Saiba como são classificados os custos de produção

Os custos de produção podem ser classificados como custo direto, indireto, fixo, variável e semivariável.

  • Custo direto:  Todo custo  que pode ser identificado diretamente ao  produto sem qualquer meio parâmetro de alocação. O custo só é direto quando não é necessário empregar nenhum recurso ou parâmetro para identificar a qual objeto de custeio ele pertence. Por exemplo, a matéria-prima e a mão de obra direta.
  • Custos indiretos:  são aqueles  que  necessitam  de  algum  parâmetro  para  alocação  aos produtos.  Por exemplo, taxas de rateio ou critérios de alocação, sem especificação a produtos finais, com tratamento de caráter genérico. Uma característica do custo  indireto  é a necessidade  de parâmetro para ser identificado ao produto ou objeto de custeio. Esses parâmetros são as taxas de rateio ou critérios de alocação. Outra característica é o seu caráter genérico e não específico a produtos finais. Eles incluem os custos com mão de obra e outras despesas de manufatura, como a como a depreciação  do  edifício  e  das  máquinas  e equipamentos de fábrica, suprimentos, aquecimento, iluminação, energia, manutenção,   seguro e impostos.
  • Custos fixos: São aqueles que se mantêm constantes no período, sem alteração de seu valor devido à volume de produção, de vendas ou outros fatores.
  • Custos variáveis: Ao contrário  dos  custos  fixos,  os  custos  variáveis já se alteram devido a algum fator, como volume de vendas, volume de produção, entre outros.
  • Custos semivariáveis: Possuem  uma  parte  fixa  e  outra  variável. 

Como aumentar a produtividade em madeireiras

A gestão deve evitar gargalos que possam atrasar a distribuição, reduzir a produtividade e atrasar as entregas. Para isso, é importante contar com máquinas adequadas e fazer a manutenção preventiva.

O uso de empilhadeiras torna o fluxo das madeiras muito mais ágil, eficiente e prático. Essas máquinas permitem descarregar muitos cargas ao mesmo tempo, de modo a evitar retrabalhos, movimentações desnecessárias ou desperdícios no transporte

Para garantir bons resultados, esse processo não se limita à movimentação das madeiras no pátio, mas deve abranger ainda o monitoramento, proteção, armazenamento e distribuição de cada item.

Um bom planejamento de toda a rotina de trabalho, com a descrição de cada etapa nos registros, aumenta a segurança e evita gargalos e prejuízos nas operações. Desse modo, é possível aumentar a produtividade e reduzir grande parte dos custos da madeireira.

O gestor deve elaborar um plano de movimentação detalhado, capaz de guiar toda a equipe em prol de um movimento contínuo de correções e melhorias. Esse tipo de cuidado garante a adoção de rotinas de inspeção e manutenção capazes de prevenir e solucionar problemas.

Veja os benefícios da empilhadeira off-road para as madeireiras

O uso de empilhadeiras todo terreno madeireiro tem crescido muito no setor, devido principalmente à sua robustez e capacidade de operar ao ar livre e em terrenos irregulares. Para enfrentar essas condições adversas, a estrutura física dessas máquinas é mais forte e resistente que daquelas utilizadas em centros logísticos fechados. Além disso, a distância do chassi até o chão é adequada para vencer os obstáculos em qualquer tipo de terreno. 

Esses equipamentos são perfeitos para empilhar cargas, mas também servem para fazer a distribuição e o transporte de materiais para estoques e locais de utilização. Desse modo, eles evitam que ocorram desperdícios, acidentes e danos comuns no transporte manual. Com essas máquinas, materiais pesados, madeiras, máquinas e suprimentos podem ser transportados muito mais facilmente. 

Além disso, essas empilhadeiras também podem ser utilizadas com equipamentos porta-garfos, que ampliam as suas aplicações. Por isso, elas podem transportar cargas disformes, como feixes de madeira, tubos e vergalhões.

Como vimos, uma gestão de custos eficiente permite que as empresas madeireiras tenham maior controle sobre as despesas envolvidas no processo produtivo e aumentem a eficiência e produtividade.

Quer saber mais sobre as vantagens da empilhadeira off-road? Acesse aqui.

NBR-6122. O que saber da norma sobre projeto e execução de fundações

A fundação é uma das partes mais importantes de qualquer edificação. Afinal, qualquer erro cometido nessa etapa pode condenar toda a construção ou, no mínimo, causar problemas de manutenção ao longo de muitos anos.

Para evitar esses problemas, foi elaborada a NBR-6122/2019, uma norma regulamentadora voltada para regular a execução de fundações de qualquer tipo de estrutura na Engenharia Civil. Essas instruções são muito importantes, pois um pequeno desvio de padrão pode causar um grande impacto negativo sobre toda a construção. Além disso, acidentes nesse setor podem trazer grandes prejuízos e colocar muitas vidas em risco.

Neste artigo, vamos explicar o que é a NBR-6122 e mostrar quais foram as principais mudanças trazidas pela nova norma sobre projeto e execução de fundações.

O que é a NBR-6122?

A NBR-6122 faz parte do conjunto de normas reguladoras da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) que regulamentam as atividades da construção civil. O principal aspecto dessa norma é o projeto e execução de fundações. Ela traz instruções e diretrizes sobre o projeto e a execução da fundação de todas as estruturas de engenharia civil. Ou seja, tanto obras pequenas quanto grandes, residenciais ou comerciais, precisam aplicar a  norma.

Uma fundação é responsável por transmitir para o solo todas as cargas provenientes da edificação. Por isso, se ela não for corretamente projetada e executada, a construção pode apresentar problemas como rachaduras, recalques e até levar ao seu desmoronamento. Daí a importância das exigências da NBR-6122.

O objetivo principal dessa norma é padronizar o projeto e a execução de fundações, com recomendações e etapas construtivas a serem seguidas em todas as obras, como casas, edifícios e pontes. Para isso, vários termos e expressões são adicionados para tornar o texto mais claro. Além disso, novos métodos construtivos foram introduzidos, bem como novas regras de cálculos e ensaios técnicos foram estabelecidas.

No entanto, a norma não aborda fundações de aplicação restrita, como as sapatas estaqueadas, radier estaqueados, estacas de compactação e melhoramento do solo. Ela também não cita aquelas que estão em desuso, como caixões pneumáticos.

Mudanças trazidas pela nova NBR-6122

A NBR 6122 foi criada em 1986 e depois passou por modificações em 2010 e em 2019. A sua revisão mais recente compreende alterações e incrementos importantes para o avanço e a continuidade dos projetos de fundações. 

Cabe ainda ressaltar que a NBR-6122 é bastante extensa, sendo dividida em 10 capítulos e vários subitens, anexos, gráficos, figuras e tabelas. O que é bem compreensível, já que a etapa de fundação é uma das mais complexas e impactantes em uma construção.

As inovações introduzidas se deram, especialmente em relação aos concretos utilizados, às considerações em relação à ação do vento e à quantidade de provas de carga exigidas.

Outra mudança importante trazida pela NBR-6122 é que agora ela está mais alinhada com outras normas, como a NBR-6118 – Estruturas de Concreto Armado. No caso do concreto utilizado nas fundações profundas, por exemplo, o novo texto leva em consideração a classe de agressividade ambiental, conforme definida na NBR-6118.

A revisão trouxe ainda a introdução de novos métodos construtivos, como o uso de concreto auto-adensável para fundações de hélice contínua. 

Podemos destacar também que a norma estabelece critérios para análise do solo, através da Investigação Geológico-Geotécnica e para ações de segurança, são especificados critérios, como os estados limites últimos (ELU) e de serviço (ELS). 

Ela também traz orientações relativas às fundações rasas e demonstra critérios e tipos de fundações profundas. 

Também foram promovidos ajustes nos anexos que tratam dos procedimentos executivos de diversos tipos de estaca, destacando-se novas considerações em relação as resistências de ponta de estacas.

Outra novidade é a limitação do uso de tubulões, necessária para atendimento das normas do Ministério do Trabalho.

O novo texto da NBR 6122 apresenta ainda várias atualizações conceituais. Podemos citar a adequação aos requisitos para atendimento ao método dos estados limites e ajustes em fatores de segurança e coeficientes de ponderação, principalmente quando temos ações de vento combinadas às de cargas verticais.

Entre as mudanças trazidas pelo novo texto, podemos destacar:

  1. Distribuição de Cargas

Anteriormente, a norma indicava que se ocorressem mudanças na distribuição de cargas caso a fundação deformasse, seria necessário realizar análise da interação solo-estrutura.

A nova versão passou a definir mais claramente os casos em que essa análise se torna obrigatória: carga variável significativa, estruturas com mais de 55 metros de altura e outros.

  1. Efeito do Vento

No texto anterior, quando a carga de vento era a principal carga variável, a resistência das fundações poderia ser majorada em até 30%. Na nova versão da norma, esse valor foi alterado para 15%, com uma exigência extra de que o fator de segurança global seja de, no mínimo, 1,6. Porém, em alguns tipos de construção específicos, o valor antigo de 30% ainda é permitido.

  1. Blocos de Fundação

A norma antes determinava a necessidade de usar armadura em blocos de fundação, obtendo uma faixa de ângulo variável para o formato do bloco. Na nova versão, esse ângulo foi fixado com o valor mínimo de 60°, dispensando a equação mencionada.

  1. Resistência do Concreto

A determinação da resistência de concreto para os tipos de fundação passou a ser mais rigoroso e a exigir classes de resistência maiores do que era permitido antes. 

Antes da concretagem, a inspeção visual, que até então era realizada pelo projetista, passa a ser realizado por um profissional habilitado.

  1. Prova de Carga

A atualização da NBR 6122 estabelece também as situações em que se torna necessária a execução de prova de carga. Por exemplo, quando o carregamento principal for carga horizontal ou esforços de tração.

  1. Monitoramento de Recalque

As condições da estrutura para ocorrer a necessidade de monitoramento de recalque sofreram algumas modificações, passando a ser um pouco mais exigentes. Nesses casos, passa a ser obrigatória a avaliação técnica do projeto, realizada por profissional independente do projetista que é contratado pelo proprietário da obra ou pelo seu representante. A norma também indica que devem ser avaliadas as premissas, os cálculos e os detalhamentos do projeto.

As revisões da NBR-6122 melhoram a qualidade dos trabalhos e retiram processos que são considerados obsoletos. Assim, é possível garantir o melhor trabalho possível e manter um padrão atualizado para as obras. 

Para mais detalhes das recomendações e adequar os projetos de fundação aos novos parâmetros, é indicado realizar a leitura de toda a nova versão da norma.

Aumente a eficiência e segurança com máquinas adequadas

O uso de máquinas adequadas no setor construtivo é fundamental para garantir a eficiência, agilidade e economia e preservar a segurança dos trabalhadores.

As empilhadeiras todo terreno (off road) têm um papel muito importante na construção civil, setor em que as atividades estão sujeitas a terrenos irregulares e intempéries climáticas, exigindo assim das máquinas um melhor desempenho e proteção para a sua realização.

Compactas, robustas e duráveis, as empilhadeiras da Série MX encaram todo tipo de terreno com agilidade e eficiência. De fácil operação e mecânica simplificada, elas são capazes de suportar cargas de até 3.500kg e de superar as condições mais severas.

Que saber mais sobre as empilhadeiras todo terreno da Série MX? Acesse aqui.

Como identificar a melhor empilhadeira para o meu negócio?

Escolher a melhor empilhadeira para o seu fluxo de trabalho é indispensável, pois ela está diretamente ligada à qualidade e eficiência dos processos logísticos da sua empresa.

Atualmente, o mercado conta com diversos modelos disponíveis, direcionados a diferentes perfis e demandas operacionais.

Porém, essa variedade também pode gerar certas dificuldades na hora de optar pelo equipamento mais adequado às suas necessidades.

Para eliminar qualquer dúvida e garantir a melhor compra, preparamos este artigo completo sobre o assunto. Acompanhe.

O que levar em consideração na hora de escolher a melhor empilhadeira?

Para saber qual a melhor empilhadeira para o seu caso, primeiro é preciso entender qual será a aplicabilidade do equipamento, onde ele será usado e quais tipos de produto ele irá carregar.

Com suas principais demandas em mente, procure avaliar os modelos que mais lhe interessam, considerando alguns pontos fundamentais para a qualidade das suas operações, como:

  •       Raio de giro;
  •       Tipo de torre;
  •       Capacidade de carga;
  •       Tração;
  •       Alturas máximas de armazenamento;
  •       Tipo de piso em que a máquina irá operar;
  •       Estruturas de armazenagem;
  •       Tipos de pallets.

Esses são os pontos básicos para definir a melhor empilhadeira para suas necessidades, mas outros diferenciais também são determinantes durante a aquisição.

Os principais deles incluem a qualidade e a tecnologia oferecidas pela fabricante, as rotinas de assistência necessárias para o maquinário, o padrão do serviço de manutenção e a possibilidade de inserir acessórios. 

Tendo esses elementos em mente, certamente sua compra será mais segura. Contudo, é normal que dúvidas surjam na hora de optar entre uma máquina elétrica ou a combustão, ou ainda no momento de escolher entre uma empilhadeira off road ou industrial

Empilhadeira a combustão x empilhadeira elétrica

As empilhadeiras a combustão são as melhores opções para as empresas que precisam de um maquinário robusto e com mais força para atender às suas diferentes demandas.

Além disso, seu desempenho mecânico é melhor, as possibilidades de aplicação são diversas e a própria durabilidade tende a ser maior. Ainda, muitas das empilhadeiras a combustão podem ser somadas a acessórios para ampliar suas possibilidades de utilização.

As empilhadeiras a combustão se classificam em GLP e ou DIESEL, neste caso o DIESEL precisa de um local externo ou muito bem arejado para que a emissão de gases não afete os colaboradores.

Já as empilhadeiras elétricas servem justamente para atender esse mercado interno, já que não emitem gases poluentes. Inclusive, elas também são mais silenciosas. Contudo, o maior problema está na assistência técnica e peças que apresentam custos elevadíssimos.

Empilhadeira industrial x empilhadeira off road

Com os pontos destacados acima, podemos dizer que as empilhadeiras mais indicadas para a maioria das situações são aquelas a combustão, já que as elétricas são voltadas a casos muito específicos e a necessidades pontuais, como é o caso do setor de alimentos.

A partir dessa definição, a questão fica entre os modelos industriais e off road. Em geral, os primeiros são melhores para ambientes menores, pois oferecem mais agilidade. Por sua vez, os segundos são mais indicados para terrenos externos, pois têm força para resistir a solos irregulares e locais marcados por intempéries.

Porém, as vantagens e desvantagens de cada tipo de empilhadeira podem variar de acordo com as necessidades da sua empresa.

Normalmente, as empilhadeiras industriais se destacam por conta de:

  •       Menor tempo de deslocamento com maior velocidade;
  •       Força sob medida para uso industrial;
  •       Facilidade de operação em espaços menores, por serem mais compactas.

No caso das máquinas off road, a indicação é para aqueles que precisam de benefícios e possibilidades como:

  •       Resistência a condições severas e adversas;
  •       Agilidade e eficiência mesmo em terrenos irregulares;
  •       Estrutura reforçada;
  •       Força e resistência para diferentes tipos de aplicações;
  •       Fácil operação e dirigibilidade.

Se você ainda está na dúvida sobre a melhor empilhadeira para a sua empresa, clique aqui e baixe agora nosso infográfico comparativo. Já se você quer garantir o melhor retorno sobre investimento no seu maquinário, clique aqui e tenha acesso à nossa planilha de viabilidade econômica.

Saiba como evitar desperdício na colheita do café

A colheita do café, como praxe, é feita quando a maior parte dos frutos estiverem maduros, ou seja, no estágio cereja. A colheita do café varia de acordo com a região, e geralmente tem início 7 meses após a floração. E como evitar desperdício na colheita do café.

Fatores importantes para evitar o desperdício na colheita do café, já que a cafeicultura é uma das atividades mais significativas para o agronegócio.

Alguns fatores importantes de como evitar o desperdício na colheita do café

O desperdício na colheita do café é o resultado da soma de inúmeros fatores, que precisam de atenção. Eles abrangem a produção, a colheita e pós-colheita na cafeicultura. A falta destes cuidados acarretará prejuízos para o produtor e ao solo para próxima safra.

O ideal é sempre utilizar equipamentos certos, que auxiliam a produtividade, como é o caso de empilhadeiras Off Road todo terreno. Além disso, é importantíssimo seguir alguns passos como o que listamos abaixo.

  • Atente-se às condições climáticas e ambientais

Para ser bem-sucedido no momento da colheita, o produtor de café, deve fazer uso de um planejamento que abranja todas as fases, da produção até a colheita, avaliando as condições climáticas, tipos de solo, produtividade e sistema de irrigação.

máquina colheita café

  • Invista em tecnologia na colheita do café

Muitos produtores utilizam-se da alta tecnologia para a colheita dos grãos, as colhedoras de café podem ser tracionadas por tratores agrícolas ou automotrizes, ambas realizam a colheita plena ou seletiva dos frutos do cafeeiro, não causam danos à planta. A demanda é grande e precisa de rapidez para colher o produto.

  • Treine operadores para a colheita mecanizada

É preciso treinar o operador da máquina para o seu funcionamento correto, buscando maior eficiência. O operador de máquinas agrícolas faz o curso de formação inicial em operador de máquinas, o curso forma profissionais que operam máquinas e implementos necessários nas atividades agropecuárias, identificando o funcionamento e obedecendo às normas de segurança e manutenção, indispensável para evitar o desperdício na colheita de café.

  • A manutenção do equipamento

A colhedora utilizada para a colheita do café deve estar bem regulada para garantir maior eficiência, evitando o desperdício na colheita do café. A manutenção da colhedora permite também evitar danos no cafeeiro, que possam comprometer safras futuras e provocar enormes prejuízos.

  • Utilização de EPIs (Equipamento de Proteção Individual)

Para a colheita mecanizada faz-se necessário a utilização de Equipamento de Proteção Individual. Este é fornecido pelo empregador e inclui os seguintes equipamentos: butina, mangote de pano, luvas, óculos, touca árabe ou chapéu.

A proteção dos olhos é muito importante pois durante a colheita do café há aumento do número de acidentes oculares causados por galhos que atingem o rosto dos apanhadores. Também existe um fungo na planta, causador da ceratite fúngica que causa danos no globo ocular.

  • A regulagem da colhedora

O mercado de máquinas está sempre à procura de inovação, possibilitando ao cafeicultor vários modelos de colhedoras de café que possuem sistema de regulagem e influem diretamente na derriça, com o mínimo de desperdício na colheita.

As principais regulagens das colhedoras são a velocidade operacional e a vibração das varetas. Normalmente são utilizadas de 1000 a 1600 m/h e de 700 a 900 rpm, buscando o resultado desejado. Quanto menor a velocidade e maior a vibração das hastes, maior será a eficiência do produto colhido, evitando desperdício na colheita do café.

  • O grão colhido deve permanecer na lavoura por no máximo até 6 horas

O grão colhido não pode ficar na lavoura por muito tempo, o período máximo é de até 6 horas. Este, deve ser transportado em sacarias próprias ou em outro recipiente para a área de beneficiamento do produto, o mais rápido possível para que não aconteça a fermentação indesejada, evitando o desperdício na colheita do café.

Portanto, os cafeicultores em busca da redução de custos e na melhoria do produto final, aderem cada vez mais a colhedoras mecanizadas para evitar desperdício na colheita do café

Comece hoje a empregar a colheita mecanizada em sua lavoura para evitar desperdício na colheita do café.

Conheça as máquinas indicadas para algodoeiras

O cultivo do algodão no Brasil teve grandes avanços e mudou de perfil, deixando de ser produção familiar e passou a ser produção empresarial. Destinada a alcançar o mercado e valorizar a pluma brasileira, no cultivo deve-se preservar a qualidade e garantir a credibilidade do produto. Por isso se faz tão necessário atentar-se às máquinas ideais para algodoeiras.

As características tecnológicas da fibra de algodão e as exigências do mercado

A comercialização da pluma de algodão deve satisfazer às exigências das indústrias de fiação, tecelagem e têxtil. A qualidade da fibra é um fator imprescindível para as indústrias, o custo dessa fibra pode equivaler entre 40% e 60% do custo do fio. 

Diante deste cenário, vale ressaltar a importância da qualidade da fibra, que é determinada por várias características intrínsecas, que incluem:

  • Comprimento (comercial, uniforme e fibras curtas);
  • Resistência capacidade que a fibra tem de suportar uma carga até se romper;
  • Índice de micronaire (componentes de finura e maturidade);
  • Cor (com brilho ou amarelo);

Fonte: Esalq /USP

Observe como o uso da tecnologia agrega valor no cultivo do algodoeiro

Inovação e tecnologia no cultivo de algodão apresenta nível de satisfação nos dias de hoje, visto que, o bom desempenho da produção refere-se a aderir novas tecnologias na produção, favorecendo muito a produtividade.

O cultivo do algodoeiro no Brasil é realizado por produtores que fazem o uso da alta tecnologia em matérias-primas, máquinas e ferramentas modernas, com o objetivo de alcançar excelentes pontos em qualidade e produtividade. 

A cotonicultura atinge produção em larga escala, possui sistema de identificação, rastreabilidade e o tipo da fibra é classificado por parâmetros dos padrões internacionais.

Com o crescente uso de máquinas indicadas para a algodoeira e o emprego da modernidade para o cultivo do algodão, é possível perceber que os gastos com a mão de obra reduziram. 

Independentemente do aumento na produtividade, a utilização da máquina ideal para algodoeira atenuou o contato do algodão com o solo, propiciando assim, redução em perdas e contaminações.

Conheça as máquinas indicadas para algodoeiras clicando no link

Veja quais são as máquinas indicadas para algodoeiras

Graças à alta tecnologia, o setor agrícola passou por grandes mudanças, o que trouxe bastante competência à produtividade no campo.

Hoje em dia, encontram-se no mercado muitas máquinas e equipamentos agrícolas, que estão à disposição do produtor rural, incluindo aqui, as máquinas indicadas para algodoeira, como as empilhadeiras Maxxicargo da Movix

As máquinas Off Road estão em evidência no setor agrícola, elas são as máquinas indicadas para algodoeira pois apresentam diversas operacionalidades como, força, robustez, economia, agilidade, segurança, maior potência de torque, raio de giro reduzido, dirigibilidade fácil, estabilidade, iluminação em led, entre outras competências, conduzindo com excelência em todo o tipo de terreno e de difícil acesso.

Invista em máquinas e equipamentos Off Road para o cultivo de algodão, visto que, investir em uma empilhadeira todo terreno (Off Road) tem suas vantagens (robustez e resistência), pois ela agrega fatores necessários para o fluxo de trabalho, tais como, terreno irregular, constante poeira, pisos íngremes e ocorrência de chuvas. A empilhadeira Off Road todo terreno foi planejada para trabalhar sem problemas em condições adversas.

As empilhadeiras Off Road também dispõe de garras hidráulicas, que podem ser utilizadas em fardos de algodão, sendo este um acessório essencial para realizar o manuseio dos produtos sem danificá-los.

Veja a funcionalidade das máquinas indicadas para algodoeiras acessando o link

A comercialização do algodão

O algodão é uma commodity e sua venda varia de acordo com o tipo.

O valor da comercialização do algodão é determinado pelo mercado internacional, que apesar do alto custo de produção, a fibra de algodão compete com as fibras sintéticas, causando instabilidade no preço da commodity algodão, nas Bolsas de Mercadorias.

Portanto, os produtores da planta de algodão empregam a inovação e a tecnologia em matérias-prima, máquinas e equipamentos de última geração como, as máquinas indicadas para algodoeira, em suas lavouras, para alcançar níveis de produtividade e excelência nos resultados. Invista hoje em máquinas como a empilhadeira Off Road da Movix.

Confira já quais são as máquinas indicadas para algodoeira e encontre os seus benefícios.